Home » Blog » Brasil despenca em ranking
global de competitividade

Brasil despenca em ranking
global de competitividade

País perdeu cinco posições em relação ao no passado, segundo índice elaborado por escola suíça. Resultado denota “muito consumo e pouca produção”

O Brasil perdeu espaço no cenário competitivo internacional e despencou cinco posições no Índice de Competitividade Mundial 2013, elaborado pelo International Institute for Management Development (IMD), uma das maiores escolas de negócios no mundo. O país passou para a 51ª posição, ante o 46º lugar ocupado no ranking do ano passado. Na liderança da lista estão os Estados Unidos, que recuperaram o posto após perdê-lo no ano passado para Hong Kong, graças a uma melhora do setor financeiro, à abundância de inovação tecnológica e companhias de sucesso. O segundo lugar foi ocupado pela Suíça e o terceiro, por Hong Kong.

“Estávamos esperando o Brasil numa posição bem melhor”, disse o diretor do IMD World Competitiveness Center, Stephane Garelli. Na sua visão, o grande problema do país é “muito consumo e pouca produção” – o que denota as falhas do modelo de crescimento adotado pela presidente Dilma Rousseff. Desde que a petista chegou ao poder, em 2011, o país despencou sete posições no ranking.

De acordo com o professor Carlos Arruda, da Fundação Dom Cabral, que coordena o levantamento no Brasil, um dos únicos pontos em que o país ganhou competitividade foi a atração de investimentos. No entanto, há o desafio de transformar estes recursos em produtos e serviços de maior valor agregado. Isso sem contar os investimentos necessários em infraestrutura, logística, mobilidade urbana, educação e as já tão falada reforma tributária – fatores que minguam a competitividade do país. “O Brasil precisa escolher um caminho, definir um bom plano de investimento e persegui-lo”, adicionou Stephane Garelli, do IMD.

Entre os Brics, apenas a África do Sul está em pior colocação do que o Brasil, ao perder a 50ª posição do ano passado para ficar em 53ª este ano. A Índia caiu do 35º para o 40º lugar. Subiram no ranking a China, que passou do 23º para o 21º lugar, e a Rússia, que foi do 48º para o 42º.

Segundo o IMD, os países emergentes continuam a depender da recuperação da econômia mundial, que demora a acontecer. “A América Latina está decepcionando, mas há ótimas empresas internacionais em toda essa região. Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul são muito diferentes em relação às suas estratégias de competitividade e desempenho, mas os Brics continuam sendo terra de oportunidades”, afirmou Garelli.

Na Europa, Suíça, Suécia e Alemanha são consideradas as nações mais competitivas. O sucesso dessas economias se baseia na manufatura orientada para a exportação, na diversificação de produtos oferecidos ao comércio, no fortalecimento das pequenas e médias empresas e na disciplina fiscal. “Como no ano passado, o resto da Europa está pesadamente constrangida por programas de austeridade que atrasam a recuperação”, diz o IMD. “Está em questão a eficiência desse modelo.”

A pesquisa avalia as condições de competitividade de 60 países a partir da análise de dados estatísticos nacionais e internacionais e pesquisa de opinião com executivos.

Ranking de competitividade global
Entre 60 países avaliados, o Brasil está entre os 10 piores e só supera Argentina e Venezuela entre os latino-americanos
competitividade <!  :pt  >Brasil despenca em ranking <br> global de competitividade<!  :  >

Fonte: revista “Veja”

2 comentários

  1. Quando achamos que tá muito ruim e pior nao fica , vem uma noticia dessa que diz : olha se voce pensa que tava ruim espera que vai piorar mais.infelizmente no Brasil edcucação e nada é a mesma coisa.

  2. essa é pra ser lida

Voltar ao Topo